Faça seu Login para que possamos configurar a navegação de acordo com as suas preferências.
Não está cadastrado?Clique aqui.

PROGRAMAÇÃO

HISTÓRICO:
2017   |  2016   |  2015
2014   |  2013   |  2012
2011   |  2010   |  2009
2008   |  2007   |  2006
2005   |  2004   |  2003
2002   |  2001   |  2000
1999   |  1998   |  1997
PRÓXIMOS EVENTOS

20/01/2005

Lançamento

Livro Que Chita Bacana


31 objetos em arquivo
MF-01417 Lançamento do livro Que Chita Bacana na Galleries Lafayete / Ano Brasil-França
MF-01418 Lançamento do livro Que Chita Bacana na Galleries Lafayete / Ano Brasil-França
MF-01419 Lançamento do livro Que Chita Bacana na Galleries Lafayete / Ano Brasil-França

Que chita é essa?


Com cara de festa do interior e brincadeira de criança, a chita possui ancestrais ilustres: surgiu na Índia medieval e conquistou europeus, num domínio invertido à colonização; seu nome vem do sânscrito e atravessa idiomas, assim como o tecido transpôs mares, povos e culturas para virar vestidinho de menina nas quadrilhas juninas, cortina e toalha de mesa em casa de pau-a-pique, pelos cantos do Brasil. De tempos em tempos, ganha espaço em passarelas, galerias de arte, vitrines e palcos, quando estilistas, artistas plásticos, designers e outros criadores redescobrem estas estampas e as incorporam a suas produções.

A história deste tecido traz um pouco da trajetória da alma brasileira. Passado, presente, trabalho, castigo, festa, criação, arte, infância, malícia e uma alegria descarada se combinam nas cores e misturas descontroladas das estampas, que vestiram escravos, camponeses, tropicalistas, personagens de literatura, teatro, novela e cinema, sem perder a inocência.

Tudo isso você poderá ler no livro Que Chita Bacana, que chega com 239 páginas e mais de 200 imagens.



Créditos


Idealização e coordenação: Renata Mellão e Renato Imbroisi
Reportagem e texto: Maria Emilia Kubrusly
Pesquisa: Liana Bloisi, Marina Vidigal, Selimar Montes D’Oca
Consultoria histórica: Ana Luiza Martins
Consultoria editorial: Mary Lou Paris/Editora Terceiro Nome
Ensaios fotográficos: Lena Trindade
Preparação e revisão: Teresa Cecília de Oliveira Ramos e Maysa Monção
Revisão de imagens: Rosely Nakagawa
Projeto gráfico: Íris Di Ciommo e Guilherme Valverde
Produção gráfica: Malu Tavares
Produção: Jaine Silva
Ilustrações: Chris Burger e Circe Bernardes
Pré-impressão: Postscript
Impressão: Lemos Editorial e Gráficos Ltda.
Assessoria de imprensa: Solange Viana



Maiores informações


A CASA casa-museu do objeto brasileiro
Telefax: (11) 3814-9711
E-mail: a.casa@terra.com.br


Que Chita Bacana


Depois de passar por São Paulo, Brasília, Minas Gerais, o livro Que Chita Bacana chega na França, bilíngüe. A idéia surgiu há três anos, quando Renata Mellão e Renato Imbroisi se juntaram em uma palestra realizada na A Casa, casa museu do objeto brasileiro. Assim a Chita também virou livro. Que Chita Bacana chega com tiragem de três mil exemplares, com reportagem e texto de Maria Emilia Kubrusly, pesquisa têxtil de Liana Bloisi e pesquisa socioeconômica de Ana Luisa Martins.


Biblioteca:

Que chita bacana
CHITA BACANA

Bibliografia Associada:

Que Chita Bacana